Redigir com clareza

Wanderlino Arruda

Quando iniciei minha colaboracao ao JORNAL DE DOMINGO, Waldyr Senna havia pedido que eu fizesse uma serie de artigos abordando aspectos ligados a Linguistica e a Semantica, principalmente aqueles que levassem o leitor ao conhecimento pratico da arte de redigir com clareza e correcao. Foi esta minha tarefa inicial, encomendada, algumas vezes alvo de tentativas, mas, cabalmente nunca cumprida. Desviado para a cronica, procurando dar quando possivel o toque de leveza com que o JORNAL DE DOMINGO procura compensar as agruras da semana de cada leitor, acabei fugindo da linguagem totalmente didatica, pedagogica, salutar no efeito de aprendizagem, mas nem sempre agradavel em termo de amenidade, de gosto poetico.
Mas, como nao obedecer a tarefa, de vez em quando? Como nao construir com um pouco de experiencia destes quase trinta anos de redacao, de estudos teoricos na Faculdade e do sentido pratico de quem nunca para de escrever? Viver e preciso e viver e doacao! Fico com pena das pessoas que leem muito, aprendem muito, adquirem grandes conhecimentos tecnicos ou artisticos e, depois, morrem levando para o tumulo sua experiencia, sem nunca te-la transmitida aos seus contemporaneos, seja atraves da escola, seja atraves da escrita, seja atraves do proprio trabalho de cada dia. Quem escreve, em todo caso esta sempre preparado para transmitir ao futuro seu patrimonio de cultura, seu pensamento suas habilidades. Este, quando redige coisa util, nao passa pela vida sem deixar beneficios ao proximo.
E entao? Vamos ao trabalho ou vamos ficar so na conversa? Quais os aspectos mais importantes da redacao? Como escrever? Como criar ideias e passa-las para o papel? Primeiramente, so escreve bem quem e bom leitor, quem le muito e digere o que le. So assim e possivel ter ideia firme de estrutura, conteudo e expressao do que escreve ou vai escrever. E preciso que tenha respeito ao que e a quem destina a redacao. E uma carta, um poema, uma dissertacao ou um conto? Um artigo ou uma cronica, um editorial ou uma noticia? Que tipo de abordagem deve fazer? E para a coluna social ou para a coluna dos Jotas? Para a primeira ou para a terceira pagina?
Proposto o tema, seja qual for a forma (dissertacao, carta, memorando, narracao, descricao, etc) devera girar em torno dele a redacao, mantendo-o como espinha dorsal do trabalho, devendo o texto final apresentar-se como um todo organizado, onde as partes se articulem de maneira coerente e logica. E o conteudo? E bom deixar claro, antes de mais nada, que as ideias devem ser bem fundamentadas e expostas com absoluta clareza, de modo a possibilitar uma comunicacao imediata. Nao so correcao gramatical (ortografia, morfologia, sintaxe, pontuacao), mas tambem o dominio das palavras e da estrutura da lingua. Nao fica mal um toque de criatividade, uma contribuicao pessoal, com ideias novas e originais ou com tratamento renovado de velhas ideias.
Numa carta comercial, sera erro escrever sobre a lua e as estrelas, a menos que voce esteja querendo vender telescopios. Numa noticia, nao e bom que o redator venha dar sua opiniao pessoal, porque fatos sao fatos, sendo necessarios apenas os acontecimentos. Em qualquer caso, procure aumentar seus conhecimentos do vocabulario, se possivel com riqueza de nocoes, uso adequado, ordenacao e hierarquizacao do pensamento. Um bom dicionario nunca e indispensavel. Ninguem e dono de todas as palavras da lingua, nem quer dizer que saibamos escrever todos os vocabulos num idioma, como o nosso de tantos gXXh, gCCh, gSSh e gZZh.
Mais um conselho: coloque-se no lugar de quem vai ler. Seu texto esta claro? Compreensivel? Agradavel? Otimo! Se nao, escreva de novo, quantas vezes for necessario. Cyro dos Anjos, o nosso imortal da Academia Brasileira, da sua receita: gEscrevo e reescrevo os meus textos de seis a sete vezes. So nao o faco mais porque nao suporto. Chega uma hora que e como se fosse uma gravidez, o filho tem de ser dado a luzh.